Ela Parece Uma Jovem, No entanto Tem quarenta e sete Anos E Imediatamente é Avó De dois Netos

Como Bombar Teu Instagram


O título do novo livro de Cory Doctorow, "Information Doesn't Want to Be Free" (o dado não quer ser livre), é enganoso. Ele explica um tanto melhor no corpo humano de seu ensaio de 192 páginas quase um manifesto: não é o dado que quer ser livre, todavia as pessoas. Doctorow segue na batalha, contudo precisando que as pessoas (os criadores e o público) é que querem o dado livre, contra a pressão dos intermediários (as corporações de tema e as plataformas de tecnologia).



Bem que não ficção, "Information" vai pela mesma linha. Em sua distopia, divide o Big Brother de Orwell em dois: "Big Content", grandes organizações de tema (estúdios de cinema e Televisão, principalmente), e "Big Tech", de tecnologia (Google, Amazon, Apple). Como mostrou 2 anos atrás no Brasil, Doctorow fala pelos cotovelos e tem um discurso repleto de reviravoltas, que se reproduz no livro, no qual assim como amontoa, sem maior didatismo, siglas e conceitos de web. A barafunda marca suas "três leis", arcabouço do livro. https://tecnicasprapesocerto2.odablog.net/2018/07/04/como-ser-um-blogueiro-de-sucesso-em-dez-passos/ uma só, entretanto o agente literário de Doctorow sugeriu três, como fez o escritor Arthur C. Clarke com tuas leis sobre ciência e tecnologia -e assim como Isaac Asimov, a respeito de robótica.


  1. Tenha metas
  2. IELTS General (Inglês)
  3. ► Abril (4)
  4. Como beijar uma moça no primeiro encontro
  5. Determine seus objetivos

A primeira e mais relevante, a verdadeira "Doctorow's Law", confessa: "Toda vez que alguém coloca uma fechadura em uma coisa que pertence a você e não dá a chave, essa fechadura não está lá em seu privilégio". Vale sobretudo pras leis atuais de direitos autorais e os sistemas de DRM (gerenciamento de direitos digitais), que transferem dos criadores e do público o controle sobre o assunto os livros ou vídeos pra mãos dos intermediários.


O futuro da web não deveria ser uma disputa pra ver de perto se Hollywood ou Google fica no controle. Pela alternativa idealizada por Doctorow, é possível às pessoas desenvolver e até obter o bastante para viver sem apelar aos "homens do meio", aproveitando-se da competência de disseminação própria e livre da web. A cantora Amanda Palmer escreve, na sua introdução ao livro: "Somos uma nova formação de artistas, apoiadores e freguêses que acreditam que o velho sistema pelo qual trocávamos conteúdo e dinheiro está falecido. Não morrendo: morto".


As visitas começaram a apresentar-se e os hiperlinks para seus produtos irão gerar tráfego, que geram vendas. Outras vantagens que um site com bastante tema oferece é utensílio para você divulgar nas redes sociais e também por e-mail marketing, que é a próxima dica. Imediatamente ouvi muito pela internet que o email vai morrer com a chegada de recursos como as mídias sociais, whatsapp https://bieri.kroogi.com/en/content/3639731-O-Que-Fazer-Para-Obter-Dinheiro-Com-Web-sites.html .


A dúvida é que o email está ai, firme e robusto e com um retorno a respeito do investimento de ceder inveja em várias outras formas de marketing. Se você não está aproveitando isto, você está perdendo dinheiro ou pelo menos deixando de ganhar. 92% dos usuários pela web tem ao menos 1 conta de email. http://tecnicasvivaohoje9.wikidot.com/blog:1 /p>

72% checam a sua caixa de entrada de email 6x ou mais todo dia. https://wallinside.com/post-64370894-dificuldades-de-blogueiras-principiantes.html mais de 3.5 Bilhões de contas de email criadas. Clientes que recebem uma newsletter por email gastam 83% mais do que não cadastrados. Em relação ao exercício comercial, 75% dos usuários utilizam o email contra apenas 3% das mídias sociais.


Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *